Bombeiros de Umuarama estão há cinco meses sem efetivo para ambulâncias | Giro de Notícia

Bombeiros de Umuarama estão há cinco meses sem efetivo para ambulâncias

banner principal

Desde agosto de 2020 as ambulâncias do 6º Subgrupamento de Bombeiros Militares Independente  (6º SGBI) estão paradas em Umuarama. O quartel em Altônia, subordinado a Umuarama também está com ambulância baixada e o de Cruzeiro sequer chegou a ativar após a volta da gestão para os militares após a municipalização.

A falta de efetivo é a principal causa das baixas, conforme apurou OBemdito. Nesse sentido, os bombeiros priorizam o combate aos incêndios e os resgates, deixando o atendimento de vítimas acidentadas para o Samu. Isso ocorre porque a prerrogativa número um dos bombeiros não é o atendimento pré-hospitalar. Eles funcionam como um apoio para o Samu, conforme resolução 2048 do Ministério da Saúde.

“Em Altônia, por exemplo, retiramos ambulância porque não tinha como a mesma equipe fazer o atendimento de ambulância e fazer o atendimento do caminhão, porque se esta equipe estivesse empenhada com a ambulância e pegasse fogo em um lugar não ia ter outra equipe para sair com o caminhão”, exemplificou o tenente Marçal Gabriel da Costa, do 6º SGBI.

Mesmo assim, a falta das ambulâncias nas ruas de Umuarama sobrecarrega o atendimento de todo sistema e preocupa a população. O prefeito Celso Pozzobom, que nesta semana assumiu a presidência do Ciuenp – o consórcio do Samu – interviu e pediu providências ao Governo do Estado.

O secretário estadual da Administração e da Previdência, Marcel Micheletto, esteve na Capital da Amizade e disse que levaria a demanda à Curitiba.“Essa situação [das ambulâncias dos bombeiros] preocupa a gente”, disse Pozzobom.

Na logística dos bombeiros seriam necessários ao menos mais dez militares para retomar o atendimento, isso sem contar aposentadorias e afastamento por questões médicas.

De acordo com o 6º SGBI o concurso público cujas provas devem ocorrer este ano (foram adiadas em virtude da pandemia da Covid-19 em 2020), possivelmente trará um reforço de 25 militares para Umuarama. Contudo, ainda não há uma previsão de quanto tempo isso levará.

A situação, todavia, não é exclusividade de Umuarama. Diversas cidades do Paraná também sofrem com a falta de bombeiros, o que impossibilita transferências de uma unidade para outra.^A expectativa é de que haja alguma resposta em breve.

Fonte: OBemdito

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS