BRASIL TEM QUATRO ENTRE AS SEIS VACINAS MAIS AVANÇADAS DO MUNDO | Giro de Notícia

BRASIL TEM QUATRO ENTRE AS SEIS VACINAS MAIS AVANÇADAS DO MUNDO

banner principal

Coronavac, vacina de Oxford, Pfizer, Sinopharm, Moderna e vacina russa estão na última fase de testes; se aprovadas, poderão ser comercializadasHá 164 pesquisas de vacina em desenvolvimento no mundo, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde). Entre elas, 25 são testadas em humanos, sendo que apenas seis estão na terceira e última fase de ensaios. Quatro têm testes em andamento ou previstos no Brasil: a Coronavac (China), a vacina de Oxford (Reino Unido), a vacina da Pfizer/BioNTech (Estados Unidos/Alemanha) e a Sinopharm (China). Após a conclusão dessa etapa, as vacinas poderão ser licenciadasHá 164 pesquisas de vacina em desenvolvimento no mundo, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde). Entre elas, 25 são testadas em humanos, sendo que apenas seis estão na terceira e última fase de ensaios. Quatro têm testes em andamento ou previstos no Brasil: a Coronavac (China), a vacina de Oxford (Reino Unido), a vacina da Pfizer/BioNTech (Estados Unidos/Alemanha) e a Sinopharm (China). Após a conclusão dessa etapa, as vacinas poderão ser licenciadasHá 164 pesquisas de vacina em desenvolvimento no mundo, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde). Entre elas, 25 são testadas em humanos, sendo que apenas seis estão na terceira e última fase de ensaios. Quatro têm testes em andamento ou previstos no Brasil: a Coronavac (China), a vacina de Oxford (Reino Unido), a vacina da Pfizer/BioNTech (Estados Unidos/Alemanha) e a Sinopharm (China). Após a conclusão dessa etapa, as vacinas poderão ser licenciadasHá 164 pesquisas de vacina em desenvolvimento no mundo, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde). Entre elas, 25 são testadas em humanos, sendo que apenas seis estão na terceira e última fase de ensaios. Quatro têm testes em andamento ou previstos no Brasil: a Coronavac (China), a vacina de Oxford (Reino Unido), a vacina da Pfizer/BioNTech (Estados Unidos/Alemanha) e a Sinopharm (China). Após a conclusão dessa etapa, as vacinas poderão ser licenciadas

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS