Cadeirinha pode ter salvado criança em acidente de ônibus em Candói

Segundo a mãe, antes sempre viajava com o filho no colo, mas no dia do acidente ela insistiu em levar o equipamento; nove pessoas morreram.

cadeirinha pode ter salvado a vida do filho de Inês Gossi. Os dois estavam no ônibus que sofreu um acidente na madrugada de sábado (5), no BR-373, em Candói, no centro-sul do Paraná.

Com a batida entre o ônibus e um carro, nove pessoas morreram e 26 ficaram feridas.

Segundo a mãe de Antônio, de quase dois anos, como a prefeitura concede apenas uma passagem, ela viajava com o filho no colo, usando o mesmo cinto de segurança.

A família mora em São Jorge do Oeste, no sudoeste do estado, e o menino faz tratamento médico em Curitiba.

Cadeirinha presa ao banco do ônibus evitou que Antônio, de dois anos, fosse arremessado (Foto: Reprodução/RPC)Cadeirinha presa ao banco do ônibus evitou que Antônio, de dois anos, fosse arremessado (Foto: Reprodução/RPC)

Cadeirinha presa ao banco do ônibus evitou que Antônio, de dois anos, fosse arremessado (Foto: Reprodução/RPC)

No dia do acidente, ela insistiu em levar o equipamento depois de ver a recomendação na passagem que recebeu.

“Eu vendo na hora aquelas pessoas caindo um por cima do outro, sendo arrastadas e ele lá, seguradinho, como nem eu conseguiria tá segurando ele. A cadeirinha ficou torta, mas ficou presa, e ele ficou do jeito que eu tinha prendido ele, com o cinto da cadeirinha. Por isso eu tô com ele aqui”(sic), lembra Inês.

Ao lembrar do acidente, a mãe reforçou a importância de se usar a cadeirinha.

“A gente que é mãe pensa que está protegendo os filhos estando no colo, mas não está. Ali, na força, naquele impacto, nem eu mesma consegui me segurar. O cinto me segurou. Teve gente que estava do mesmo lado que nós, mas morreu porque escapou para o outro lado”, aponta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Top