Ex-prefeito de Astorga é preso por fraudes em licitações, diz MP-PR | Giro de Notícia

Ex-prefeito de Astorga é preso por fraudes em licitações, diz MP-PR

banner principal

Arquimedes Ziroldo, ex-prefeito de Astorga, foi preso em uma operação do Ministério Público — Foto: Prefeitura de Astorga/Divulgação

O ex-prefeito de Astorga, no norte do Paraná, Arquimedes Ziroldo foi preso por fraude a licitações, na terça-feira (8), segundo o Ministério Público do Paraná (MP-PR). O ex-gestor é investigado por fraudes em licitações e outros crimes.

Ziroldo já havia sido preso em 2019, durante uma operação do MP-PR que investigava fraudes em licitações de um consórcio municipal. À época, outras três pessoas também foram detidas.

Segundo o Ministério Público, o ex-prefeito estava em liberdade provisória por causa de uma decisão do Supremo Tribunal de Justiça (STJ).

Apesar disso, o órgão afirmou que o investigado não estava cumprindo com as medidas cautelares impostas para a liberdade provisória, o que levou o MP-PR a requerer um mandado de prisão preventiva.

O G1 tenta localizar a defesa de Arquimedes Ziroldo.

O processo tramita sob segredo de justiça.

Operação em 2019

Segundo o Grupo Especializado na Proteção ao Patrimônio Público e no Combate à Improbidade Administrativa (Gepatria), os investigados criaram empresas frias para participar de licitações, principalmente de processos para realização de obras de pavimentação de ruas.

Os promotores verificaram que as empresas contratadas e que participaram de processos licitatórios pertenciam ao ex-prefeito.

De acordo com o MP-PR, o grupo violou o sigilo dos procedimentos, obtendo vantagem para contratar com o poder público, causando prejuízo a concorrência e ao município.

Foram apuradas fraudes em pelo menos quatro licitações. Os contratados desses procedimentos contabilizam R$ 5,7 milhões, conforme as investigações.

O Ministério Público afirma ainda que as fraudes envolviam a utilização de um escritório de contabilidade para a criação de empresas de fachada. Essas empresas foram registradas em nomes de laranjas, mas pertenciam aos investigados.

Além de fraudes em licitações, o ex-prefeito é investigado por organização criminosa e outros crimes, segundo o órgão.

VÍDEOS: Paraná

Fonte: G1 Paraná – Norte e Noroeste

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS