Exportações do agronegócio do Paraná para a Europa em 2020 chegam a US$ 1,4 bilhão | Giro de Notícia

Exportações do agronegócio do Paraná para a Europa em 2020 chegam a US$ 1,4 bilhão

banner principal

Bloco 01 Caminhos do Campo (24 01 2021)

As exportações do agronegócio do Paraná para a Europa atingiram US$ 1,4 bilhão no ano de 2020, conforme o Ministério da Agricultura. Em 2019, esse valor chegou a US$ 1,7 bilhão.

Segundo o Ministério da Agricultura, os dados do Paraná são referentes ao exportado para um dos blocos da Europa, composto por 15 países e que tem relação comercial consolidada com o Brasil.

Conforme o técnico da Federação da Agricultura do Estado do Paraná (Faep), Luiz Eliezer Ferreira, nesse bloco, o principal produto exportado do Paraná foi a soja, seguida de materiais florestais e carnes.

Paraná exportou mais de 1,4 bilhão de dólares em 2020 — Foto: RPC/Reprodução

A expectativa do estado é que essas exportações aumentem após o fechamento de um acordo entre Mercosul e a União Europeia, considerado como maior tratado de livre comércio do mundo.

O principal ponto deste acordo é a redução de tarifas de importação, que podem chegar a zero.

Após 20 anos de discussões, o texto do acordo foi fechado em junho de 2018. Mas desde então, nada saiu do papel.

Paraná exporta diversos produtos para o bloco Europa 15 — Foto: RPC/Reprodução

Conforme o adido agrícola do Brasil na Europa, Bernardo Todeschini, o volume de negociações com o bloco pode ser maior.

Paraná e Europa

A relação entre o Paraná e a Europa é antiga. São quase dois séculos desde que os primeiros imigrantes chegaram ao território paranaense.

Muitos se estabeleceram e contribuíram para o desenvolvimento da agricultura local, que hoje fornece alimentos e outros produtos para a exportação.

Entretanto, ingressar no mercado europeu não é fácil. Há uma série de exigências impostas pelos governos locais e que podem servir como carta de apresentação para exportar para outros mercados.

Carne bovina

Qualidade e praticidade que se põe na mesa do outro lado do Atlântico

De acordo com o Ministério da Agricultura, em 2019, o Paraná mandou para os países do bloco Europa 15 mais de US$ 560 mil em carne bovina. Em 2020, o volume caiu para US$ 474 mil. Mesmo assim, é considerado um mercado promissor.

Uma fábrica que fica em Castro, nos Campos Gerais, se destaca neste mercado. Nela são produzidos alimentos embalados a vácuo, que são cozidos a vapor e esterilizados.

O processo faz com que o produto não precise de refrigeração e nem de adição de conservantes. São alimentos como canjica, mandioca e frango desfiado. Dentre os produtos, o que se destaca no mercado externo é a carne seca.

Conforme o diretor executivo da empresa, Enrico Milani, o perfil do consumidor da Europa busca por produtos práticos.

Carne bovina tem ganhado espaço no mercado Europeu — Foto: RPC/Reprodução

Em 2020, o volume de exportações da empresa para a Europa cresceu 32%, sendo a carne bovina o produto mais vendido. A diferença deste alimento para os demais presentes no mercado é que ele vai embalado e pronto para o consumo.

A empresa está no mercado desde 1995, mas foi em 2014 que começou a conquistar o mercado europeu.

“Isso demandou muito estudo, muito trabalho interno, de embalagem, credenciamento da indústria na parte de habilitações para exportar proteína para a Europa. Isso demanda muito tempo e não depende só da gente, mas também de alguns investimentos. É uma coisa que não dá para desistir, tem que persistir porque acaba abrindo uma série de oportunidades”, contou o diretor.

VÍDEOS: Reveja os vídeos do Caminhos do Campo

Fonte: G1 Paraná – Norte e Noroeste

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS