Polícia investiga suposta agressão contra crianças em creche de Tapira

Exames de lesões corporais que poderão ser feitos no Instituto Médico Legal (IML) podem não ser suficientes para esclarecer casos de agressões denunciadas à Polícia Civil de Cidade Gaúcha. Os casos teriam acontecido em uma creche em Santa Felicidade, distrito de Tapira. A princípio, três crianças com idades que variam de 6 meses a quatro anos teriam sido as vítimas.

Segundo o delegado de Cidade Gaúcha, Lucas Magron, as denunciantes revelaram que as supostas agressões aconteceram há alguns meses. “Estamos no início das investigações e agora passamos a inquirir testemunhas para serem ouvidas a fim de esclarecermos os fatos, mas a princípio, os casos citados teriam acontecido há cerca de quatro meses”, comentou o delegado.

Ele lembra que a situação é delicada por se tratar de agressões contra crianças. “Foram várias mães que denunciaram duas funcionárias da creche. Prefiro não detalhar como foram as agressões citadas pelas denunciantes, pois estamos ainda em fase de levantamento de informações”, conta Magron, ressaltando que as vítimas serão submetidas a acompanhamento de assistentes sociais e conselheiros tutelares.

“Nos casos em que estão envolvidos menores de idade, as vítimas devem ser acompanhadas por equipes especializadas. Somente estes profissionais conseguem ouvir as crianças de uma forma mais adequada, com a finalidade de extrair informações a respeito dos fatos sugeridos no inquérito. Se necessário, posso solicitar um laudo psicossocial subscrito pelos profissionais que inclusive tem valor probatório”, explica.

Magron salienta que até agora ninguém foi preso, mas o inquérito está em andamento. “Foram mães das crianças que registraram na semana passada os boletins de ocorrência denunciando as agressões. Não há fotos ou imagens que comprovem as agressões, mas testemunhas serão ouvidas, entre elas outros funcionários do estabelecimento”, encerra.

À imprensa, a Prefeitura informou que iria solicitar que o Conselho Tutelar acompanhasse o caso

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Top