Servidor da Prefeitura de Rio Branco do Sul é acusado de desviar recursos em esquema de funcionários fantasmas

Um servidor da Prefeitura de Rio Branco do Sul, na Região Metropolitana de Curitiba, é acusado de desviar recursos em esquema de funcionários fantasmas para ficar com parte dos salários deles, de acordo com investigação do Ministério Público do Paraná (MP-PR).

Oziel Matias, que está foragido, ocupava um cargo no departamento de Recursos Humanos da prefeitura. Na terça-feira (7), a Justiça negou o pedido da defesa dele para revogar a prisão preventiva.

O servidor virou réu em dezembro acusado pelos crimes de peculato e inserção de dados falsos em sistema de informações, após denúncia do MP-PR. Na aceitação da denúncia, a juíza Marina Lorena Pasqualotto, da Vara Criminal de Rio Branco do Sul, decretou a prisão preventiva – por tempo indeterminada – do réu.

A advogada Eliziane Maluf Martins, que defende Oziel Matias, disse que vai provar que o cliente é inocente.

De acordo com a denúncia, Matias “inseriu na folha de pagamentos do município o nome de quatro pessoas que não pertenciam ao quadro de funcionários da prefeitura”.

Conforme o MP, ele também ordenava o pagamento de salários de R$ 8 mil até R$ 20 mil por mês.

Entre 7 de fevereiro de 2018 e 27 de setembro de 2019, Oziel Matias desviou para as contas dessas quatro pessoas R$ 1.306.063,89.

O promotor que cuida do caso afirmou que o levantamento do tamanho do desvio de dinheiro público foi feito pela própria prefeitura de Rio Branco do Sul.

As investigações apontam que, assim que o dinheiro caía nas contas dos funcionários fantasmas, Matias cobrava deles a devolução de quase todo o salário.

“No dia em que caía o pagamento ele já ligava para essas pessoas e fazia com que elas fossem nesse mesmo dia a instituição bancária, sacassem todo esse dinheiro ou pelo menos parcelado porque eram quantias muito grandes, então o saque não podia ser de uma vez só. Depois ele ia atrás dessas pessoas com o intuito de que elas entregassem a maior parte para ele em espécie”, explicou o promotor Diego Rinaldi Córdova.

O MP-PR está investigando se as quatro pessoas que recebiam salário da prefeitura sabiam que o dinheiro estava sendo desviado por meio de uma fraude.

Além disso, investigam também se os servidores que ocupavam cargos superiores a Matias no departamento de recursos humanos da prefeitura têm envolvimento no caso.

Os investigadores do caso receberam a informação de que ele está no Paraguai.

O que diz a prefeitura

A Prefeitura de Rio Branco do Sul informou que identificou as irregularidades nas folhas de pagamento em setembro de 2019 e acionou o Ministério Público, pedindo a apuração dos fatos.

Afirmou ainda que, na mesma época, o prefeito afastou Oziel Matias e outro funcionário do setor de recursos humanos e que também abriu um processo administrativo para exoneração dos culpados.

Fonte: G1 Paraná – Norte e Noroeste

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *