Suspeitos de torturar e matar professor são presos, em Curitiba; polícia investiga homofobia

Dois suspeitos de torturar e matar um professor de Geografia foram presos em Curitiba. Nesta quinta-feira (19), a Polícia Civil informou que as investigações apontam que o crime tenha sido motivado por homofobia.

O crime aconteceu no dia 30 de novembro, após uma festa rave. De acordo com a polícia, o corpo de Ronaldo Pescador, de 40 anos, foi encontrado no banco traseiro do próprio carro enrolado em um tapete, amarrado com fios elétricos e com uma peça íntima feminina dentro da boca, no bairro Alto Boqueirão.

Segundo o delegado da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Tito Lívio Barrichello, a vítima foi espancada e torturada em uma festa que aconteceu após a rave.

“O professor e um grupo de pessoas foram até a casa de uma delas, beberam muito, e algumas pessoas usaram drogas. Segundo depoimentos, por razões ligadas a homofobia, os suspeitos começaram, então, a agredir a vítima”, afirmou.

De acordo com o delegado, Ronaldo Pescador foi agredido com chutes, marteladas e golpes de cinta.

Segundo a polícia, três pessoas foram identificadas como suspeitas pelas agressões. Outras quatro pessoas estavam na casa e, segundo o delegado, não fizeram nada para impedir as agressões.

“Uma delas, inclusive, segundo testemunhas, aumentou o volume da música para que os vizinhos não ouvissem a vítima”, disse o delegado.

Prisões

Três mandados de prisão foram expedidos pela Justiça. A Polícia Civil conseguiu prender dois suspeitos nos dias 12 e 13 de dezembro. Em uma das prisões, os policiais perseguiram o suspeito no calçadão da Rua XV.

Segundo o delegado, o homem só foi preso após uma pessoa que passava na rua derrubar o suspeito, que tentava fugir em meio aos pedestres.

Um terceiro suspeito continua foragido.

Fonte: G1 Paraná – Norte e Noroeste

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *